Introdução aos KPIs para FinTech

Geoff Charles Segue 10 de jul · 4 min ler

Defina seu cartão de pontuação do saldo

Definir, acompanhar e relatar os principais indicadores de desempenho (KPIs) é um processo crítico para revisar a integridade de um negócio. Um método comum para fazer isso é o Balanced Scorecard (BSC), que organiza os KPIs em 4 áreas de foco:

  1. Financeiro : Como os nossos acionistas nos vêem? Essa perspectiva considera o desempenho financeiro da organização e o uso de recursos financeiros.
  2. Cliente : Como nossos clientes nos vêem? Essa perspectiva considera o desempenho organizacional do ponto de vista do cliente ou de outros principais interessados que a organização foi projetada para atender.
  3. Processos internos : Em que devemos nos sobressair para satisfazer nossos clientes e acionistas (investidores)? Exibe o desempenho organizacional por meio das lentes da qualidade e eficiência relacionadas a nossos produtos ou serviços ou outros processos de negócios importantes.
  4. Aprendizado e Crescimento : Como podemos continuar a melhorar (inovar) e criar valor? Vê o desempenho organizacional através das lentes do capital humano, infraestrutura, tecnologia, cultura e outras competências essenciais que são fundamentais para um desempenho inovador.

Identifique e acompanhe as principais métricas

As métricas exatas para cada uma dessas quatro áreas de foco serão diferentes com base na estratégia, estágio e setor da organização. Veja alguns exemplos de métricas que rastreamos em empréstimos ao consumidor e FinTech:

1. Financeiro

As métricas financeiras monitoradas estão diretamente ligadas ao que os investidores se preocupam quando investem em uma empresa de empréstimo. Aqui estão algumas métricas para medir a saúde de um portfólio de empréstimos:

  • Net Present Value (NPV) / conta – você está gerando receita suficiente por conta?
  • Custo de Aquisição do Cliente (CAC) – você está adquirindo clientes com um custo baixo o suficiente?
  • Lucro Operacional – você é lucrativo?
  • Saldos totais pendentes – você tem uma grande carteira de empréstimos?
  • Rendimento Líquido – o capital investido gera retornos suficientes?
  • Encargos Ajustados Líquidos (NACO) – são perdas de crédito dentro das expectativas?
  • Projetado meses de capital disponível – você tem capital suficiente para sobreviver?
  • Crescimento mensal – você está crescendo rápido o suficiente?

2. Cliente

As métricas do cliente rastreadas destinam-se a determinar se os clientes gostam do seu produto e estão em melhor situação ao usá-lo. Em muitos setores, o envolvimento saudável do cliente é um importante fator de avaliação. Aqui estão algumas métricas para medir a saúde do cliente:

  • CSAT – os clientes estão satisfeitos com o seu produto?
  • Classificações em sites de terceiros – os clientes dizem coisas boas sobre o seu produto?
  • Taxa de ativação – os clientes estão ativando seus cartões e usando-os?
  • Taxa de atrito voluntário – os clientes ficam com você?
  • Usuários ativos mensais – os clientes estão continuamente envolvidos com você?
  • FICO score change – os seus clientes estão melhorando sua pontuação de crédito (em comparação com o grupo de controle)?
  • Saúde financeira (pesquisa) – você está ajudando seus clientes a melhorar sua saúde financeira (em comparação com o grupo de controle)?

3. Processos Internos

As métricas dos processos internos capturam se a empresa será dimensionada de forma sustentável ao longo do tempo. A qualidade dos sistemas e operações fará com que as empresas da FinTech sejam quebradas – o tempo gasto na correção, remediação e suporte não está sendo gasto na criação de novas capacidades. E os erros em um ambiente regulamentado são caros. Aqui estão algumas métricas para medir a integridade do processo interno:

  • Disponibilidade do sistema – os nossos sistemas mantêm a qualidade à medida que escalamos?
  • Custos operacionais / conta aberta – os recursos dedicados às operações de suporte podem ser dimensionados?
  • Número de questões de alta severidade – temos uma baixa taxa de problemas, garantindo que nossos sistemas e processos estejam bem implementados?
  • Reclamações / 10.000 clientes – temos baixas taxas de reclamação e, portanto, gerimos o risco de conformidade?

4. Aprendizado e Crescimento

No final do dia, uma empresa é formada por pessoas. As métricas de aprendizado e crescimento visam medir o capital humano que está no centro do sucesso de uma empresa. Aqui estão algumas métricas para medir o aprendizado e o crescimento:

  • Pontuação de engajamento do funcionário ou outras classificações (por exemplo, Glassdoor) – os funcionários são engajados e cumpridos no trabalho?
  • Atrito voluntário – o seu talento quer permanecer na sua empresa?
  • Referências – seus funcionários atestam sua empresa como um bom lugar para trabalhar?
  • Vagas abertas – você consegue atrair talentos com rapidez suficiente?

Priorizar qual métrica mover

Você não pode melhorar o que não pode acompanhar. No entanto, você não precisa melhorar tudo o que rastreia. Simplesmente rastreando você terá informações inestimáveis com as quais você pode definir estratégias futuras.

As empresas devem ter metas para mover apenas um subconjunto das métricas no scorecard de saldo. Isso depende da estratégia da empresa que deve levar em consideração:

  • O que é necessário a curto prazo para permanecer nos negócios
  • O que vai gerar mais valor para a empresa a longo prazo
  • A interação entre métricas (por exemplo, uma métrica com efeitos positivos em muitas outras)

A regra geral é que, se você estiver tentando mover todas as métricas, acabará não melhorando nada. Priorização e foco são fundamentais para a execução. Qualquer métrica que você esteja optando por não focar ainda deve ser monitorada, reportada e avaliada. Isso garantirá que você e tudo na sua empresa tenham visibilidade sobre a saúde do negócio e a estratégia daqui para frente.