Na chuva

um poema

Tommy Paley Blocked Unblock Seguir Seguindo 5 de janeiro Foto de Anjana Menon no Unsplash

Levemente

Intoxicado

Ainda pele formigando, todo arrepiado e vivo com cada toque e sussurro sugestivo.

Dançando

Isso fecha

Alheio a todos os outros, seu passado, seu futuro, apenas os olhos um para o outro, vivendo no momento.

Liberado

Noite adentro

Cansado, mas nunca mais acordado, ansioso por algum, qualquer contato, mas divertidamente se separando.

Rindo

De mãos dadas

A base pulsante do clube ainda batendo em suas orelhas; o ar fresco é incrível.

Em pé

No escuro

Sozinho na praia, corações batendo rapidamente no tempo com a chuva, como se estivesse em um filme.

Molhado

Imersão

Crescendo gelada, mas sorrindo, de orelha a orelha, jogando tag, fazendo caretas, dançando, caindo duro.

Um beijo

Então outro

Duas almas juntas, lábios agressivamente trancados, línguas disputando espaço, a noite é jovem.

Sozinho

Depois da meia-noite

O mundo, seu mundo, ainda é apenas pela chuva, seus corpos destacados por um poste de luz.

Tocando

Fazendo promessas

Carne sobre carne, ao mesmo tempo longe de olhares indiscretos, amor apaixonado e impulsivo.