Obrigado, secretária Clinton

Jeff Jarvis Blocked Unblock Seguir Seguindo 27 de maio de 2018

Sexta-feira em Radcliffe – em uma tenda maravilhosamente repleta de 80 ou 90% de mulheres, da turma de 41 em diante – tive o privilégio de ver Hillary Clinton receber a Medalha Radcliffe . Deixei-me cada vez mais impressionada com sua sabedoria, experiência e civilidade – com sua liderança – e, é claro, cada vez mais deprimida de que o que deveria ser não é o que é.

Como jornalista e professora de jornalismo, fiquei grata por sua defesa do meu campo diante dos ataques da direita e apesar de seu papel na derrota dela. "Defenda a imprensa", Clinton pediu. “E acredite em mim, não é fácil para mim dizer o tempo todo. Mas eu sei muito bem que, na ausência de uma imprensa livre e vigorosa, nossa democracia não sobreviverá ”. Enquanto a própria imprensa está ocupada em se debater entre mentir uma mentira (não é o nosso mais importante trabalho?) ela não mediu a verdade: “Não é só a Fox, agora é o Sinclair. Eles estão essencialmente distribuindo propaganda … Precisamos de mais saídas para informações confiáveis. ”[Divulgação: Eu doei para e me candidatei para a campanha de Clinton em muitos fins de semana em Belém, Pensilvânia.]

Eu não pude deixar de sentir que ela está liderando um governo no exílio. Como de Gaulle emitindo mensagens na rede sem fio, ela tinha uma para funcionários públicos presos em uma administração incivil: "Espero que as pessoas no governo que não são nomeadas políticas permaneçam o maior tempo que puderem". Ela está defendendo nossa nação contra um ataque de dentro: “Não tem sido um momento fácil para mais da metade do nosso país desde as eleições de 2016. E eu ainda acho que entender o que aconteceu naquela eleição estranha e selvagem nos ajudará a defender nossa democracia no futuro. ”Sim, Sr. Mueller, faça seu trabalho.

O que impressionou em ouvir e assistir a Clinton foi que nos lembra como é ter um humano na política. Não importa como a imprensa a retratou , ela é charmosa e engraçada. Ela falou sobre seu pai proibindo-a de comparecer a Radcliffe em seu centavo, porque ele ouviu que estava cheio de beatniks. Ela falou sobre tentar ir incógnito e como isso é difícil com o Serviço Secreto: Uma noite, enquanto Clinton estava andando em Washington, uma mulher em uma bicicleta parou para sussurrar: "Eu tenho que te dizer, há um homem te seguindo."

Eu também fiquei impressionado com a forma como ela nunca se esquiva da luta mais difícil. A Procuradora Geral de Massachusetts, Maura Healey, perguntou a Clinton qual empresa ela gostaria de dirigir. Ela não hesitou, nem por um momento. "Facebook", ela respondeu. Por quê? “É a maior plataforma de notícias do mundo.” É por isso que espero algum dia poder conversar com ela diante de nossos estudantes de jornalismo da CUNY sobre sua visão da cobertura política e como corrigi-la.

Depois de sua palestra, dada a chance – o que diabos? – Eu me juntei ao grupo de fãs apenas para apertar sua mão e agradecer a ela. Para quê? Por lutar por nós.