Observações sobre Gestão de Produtos

Passei 10 anos agora criando produtos – desde consultoria, até startups, para equipes maiores como o Airbnb. Eu queria capturar algumas das coisas que aprendi, principalmente pela minha própria memória. Mas se outros os acharem úteis, ótimo!

Principalmente estas são coisas que são óbvias, mas ninguém nunca as diz, ou não é óbvio, mas importante.

Esta primeira lista é de aforismos é mais geral; Também compartilharei observações sobre temas específicos. Procuro também ser explícito sobre o uso da Gestão de Produto (uma disciplina) e do produto em geral (o material que criamos).

  1. O trabalho de Product Management é entregar bons produtos aos usuários finais. O grande número de possíveis definições de bom, produto e usuário significa que não há um aspecto padrão para um Gerente de Produto. Mas se você não entregar, o produto não é bom, ou ninguém o usa, você fez isso de forma errada.
  2. Seu produto, especialmente se você gerencia as pessoas diretamente, não é o produto. É o processo que constrói o produto. Interfaces / interações de saída dos designers, código de saída dos engenheiros, processo de saída dos gerentes de produtos.
  3. O "Processo" inclui as estruturas para o raciocínio sobre um problema, a forma como a equipe interage e se comunica, as expectativas do produto, as expectativas da equipe, os cronogramas, o sucesso e a qualidade, como as decisões são tomadas.
  4. Processo não é inerentemente ruim. Há um bom processo e um processo ruim. Um bom processo é o que permite que a equipe produza um trabalho melhor, com alegria e elegância. O mau processo é qualquer outra coisa.
  5. Desconfie das pessoas que odeiam o processo. Às vezes, eles foram queimados por um processo ruim, muitas vezes, eles temem que o processo seja a) o mesmo que a burocracia ou b) limitará suas contribuições.
  6. Se você é um novo Gerente de Produto para uma equipe que não trabalhou com um antes, a primeira ordem de negócios está provando para a equipe que seu processo aumenta suas contribuições e alegria, e não diminui. Quase não importa qual é o produto.
  7. O maior atributo de um Product Manager é uma habilidade fortemente desenvolvida de metacognição. Primeiro, poder se introspeccer e ver como suas palavras, ações, escolhas estão afetando um resultado. Em segundo lugar, introspecção de um processo e compreenda por que está ou não está funcionando.
  8. A maioria dos gerentes de produtos (e todos provavelmente) passam muito pouco tempo pensando em como resolver um problema. Eles pulam diretamente para resolvê-lo. Os problemas vêm em formas diferentes, e nem todos precisam do mesmo processo. O processo que enviou o último produto provavelmente não será o que você precisa para o próximo.
  9. É mais fácil para o macrobullshit do que para o microbullshit. É impossível bestejar bons engenheiros, designers, cientistas de dados, pesquisadores. Se a equipe não está chamando você de algo com bastante regularidade, você está fazendo isso de forma errada.
  10. Onde há habilidade para mover montanhas, não há necessidade de fé que mova montanhas. A fé não pode durar – eventualmente alguém tem que construir algo.
  11. O desenvolvimento incremental e a visão não são ortogonais; ambos exigem o outro. Todo o produto deve começar com uma visão – um ponto de vista -, mas então ser construído criticamente passo a passo. Está certo para aprender algo novo como você vai.
  12. Ser orientado por dados não é visão. As pessoas que se apegam ao uso de dados raramente criam algo novo ou interessante. Pessoalmente, acho difícil explicar o porquê deles.

Atualização: escreveu minhas Observações em Dados, Métricas e Objetivos . Faça uma leitura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *