Portão do céu

Evelyn McCormack Segue 4 de jul · 5 min ler

Kieran e Patty Feerick estavam voltando para casa da missa dominical quando pararam para visitar Kelly. Acontece que foi uma boa coisa porque eles pararam porque as impatiens que haviam plantado várias semanas antes em volta do túmulo murcharam no calor opressivo.

Kieran pegou um balde vazio, foi até uma torneira de água e encheu-a. Em seguida, Patty percorreu com cuidado o declive escorregadio ao redor do túmulo e encharcou o solo com água. Os impatiens vermelhos seriam revividos pelas duas únicas pessoas que já amaram Kelly.

"Costumávamos vir todos os domingos", disse Feerick, em seu pesado sotaque irlandês. “Mas ela se foi desde 1995, e nós nos aproximamos cada vez menos. Uma vez a cada poucas semanas.

Kelly morreu um pedaço de cada vez, disse a Sra. Feerick. “Primeiro ela perdeu a audição, depois a visão. Ela teve uma série de problemas depois disso, até que uma manhã não conseguiu levantar a cabeça. Foi quando decidimos que ela não deveria sofrer mais. Os Feericks ficaram sem escolha. Eles colocaram Kelly para dormir.

A raça mista poodle-terrier, que costumava sentar-se entre o casal no banco da frente do carro, é enterrada no Hartsdale Pet Cemetery and Crematory, um oásis de memória e luto localizado logo atrás de um Dunkin Donuts e na rua de um carro. Mercearia H Mart.